Imprensa

Ave sustentável impulsiona vendas da Korin

São Paulo ­ O aumento do consumo consciente, com maior atenção para o bem estar animal, foi o gatilho para que a Korin Agropecuária investisse em aves orgânicas e sustentáveis. A aposta manteve a empresa no azul mesmo na crise.

A Korin faturou R$ 133 milhões no ano passado com a venda de frangos, seu carro­chefe. A cifra representou um aumento de 23% em relação a 2015. O volume teve um crescimento idêntico. Para este ano, como a economia tem perspectivas de melhora mas ainda patina, a companhia espera crescimento real de 14% nas vendas.

“Cerca de 30% do último faturamento será investido nas aves orgânicas. Começamos neste segmento por três vezes e tivemos que parar por falta de matéria­prima para a ração. Agora os aportes serão direcionados para uma fábrica multifuncional focada na produção de tipos distintos de alimentos”, contou ao DCI o diretor superintendente da Korin, Reginaldo Morikawa.

O frango orgânico é aquele que possui certificado de bem estar animal, consome probióticos para manter o vigor, não contém promotores de crescimento nem antibióticos, a alimentação não envolve nenhuma ração de origem animal e a matéria­prima consumida pelas aves é livre de qualquer transgenia.

O produto intitulado pela empresa como sustentável conta com todas as características do orgânico, exceto o grão usado na ração, que pode ser transgênico.

“Nossa principal dificuldade é encontrar milho livre de transgenia. Foi um problema que tivemos no ano passado e que nos fez direcionar a produção que seria orgânica para a linha de sustentáveis”, lembra o executivo. Na tentativa de sanar este gargalo, a fábrica multifuncional de ração tem capacidade para confeccionar alimento com os dois tipos de grãos para atender as duas demandas da empresa, de maneira distinta.

A medida também impulsionará a retomada no mercado de ovos orgânicos, que estarão disponíveis no varejo daqui a, aproximadamente, 60 dias.

Outras novidades preparadas para este ano são os lançamentos de hambúrgueres de carne bovina e de frango, além de patê de fígado orgânicos e filé de tilápia sustentável.
Morikawa destaca que as carnes bovinas são produzidas no Pantanal.

Dados da Organics Brasil, mostram quem no ano passado este mercado teve expansão de 30% a 35%, na média, somando R$ 3 bilhões. O acréscimo foi puxado pelos produtos lácteos e de origem animal, com valor agregado ­ categoria em que a Korin se insere.

Estima­-se que no varejo os produtos sejam de 30% a 40% mais caros que os convencionais, mas, ainda de acordo com a Organics Brasil, o setor está em avanço constante e já representa US$ 80 bilhões no mercado global.